//Alegre quer mais geringonça

Alegre quer mais geringonça

Manuel Alegre continua idealista. Uma longa vida na política não foi suficiente para aprender que o socialismo já foi engavetado e que o cinismo pragmático é a actual cartilha política das elites governantes.

É assim que Alegre diz ter esperança que o PS mantenha a geringonça em andamento mesmo se conseguir maioria absoluta nas próximas eleições legislativas.

Alegre disse que o PS “deve manter esta política, deve resistir à tentação centrista, resistindo ao canto de sereia da direita e mantendo esta convergência à esquerda, esta fidelidade aos valores do socialismo, da liberdade e da igualdade”.

Manuel Alegre também é um optimista.

Foi em Braga, durante um jantar evocativo do 25 de Abril, que o socialista Manuel Alegre avisou hoje que uma “reedição do bloco central” seria um “grande retrocesso e colocaria em risco” o PS, salientando que, mesmo com uma maioria absoluta, os socialistas devem “manter a convergência de esquerda”.

“Uma viragem à direita, ou uma reedição do bloco central, ou uma inversão destas politicas seria um grande retrocesso e colocaria em risco, não tenho duvida nenhuma, o Partido Socialista, tal como aconteceu àqueles partidos socialistas e sociais-democratas que se aliaram à direita para fazer a politica da direita”, avisou o antigo candidato à Presidência da Republica.

Para Alegre, a atual solução governativa “foi uma revolução pacífica” na democracia portuguesa: “Havia aqui um mito, que era o mito do arco da governação e isso mutilava a democracia porque retirava da responsabilidade do Governo forças politicas que representavam uma parte significativa da sociedade”, disse.

Depois de enaltecer a atual solução governativa, Alegre lembrou que “não é fácil” manter a “geringonça”, e revelou que pediu “ao Bloco de Esquerda que moderasse por vezes a linguagem em relação ao PS”.

Manuel Alegre lembrou que”não temos que nos deslumbrar com o poder, o poder não é um fim em si mesmo, fico sempre um bocado desconfiado quando vejo o PS deslumbrar-se consigo mesmo ou com o poder, espero que isso não aconteça”.

Por isso, salientou, que mesmo que os socialistas tenham maioria absoluta nas próximas eleições legislativas, não devem deixar cair a “geringonça”.

“É claro que o PS pode vir a alcançar uma maioria absoluta, isso é normal, mas mesmo que tenha deve manter esta política, deve resistir à tentação centrista, resistindo ao ‘canto de sereia’ da direita e mantendo esta convergência à esquerda, esta fidelidade aos valores do socialismo, da liberdade e da igualdade”.